iinspiradas

terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Rio de Janeiro parte 1: o básico!

às
Começo dizendo que básico e Rio de Janeiro na mesma frase talvez não tenha sido a escolha mais feliz. Essa cidade sempre me criou um conflito interno todas as vezes que aventava uma ida. É complicado o que a mídia faz com a gente: mostra praias lindas e pontos turísticos belíssimos, e no jornal das 8 revela uma violência bem além do que eu conheço na cidade onde moro.

Em 2015 eu fui enviada a trabalho para passar quase uma semana lá. Fiquei num lugar da Barra da Tijuca muito mal localizado para turismo: Perto da onde estava sendo construído o parque olímpico. Alguns diziam inclusive que ali já é Jacarepaguá... 


Naquela oportunidade, trabalhando, conheci o trânsito intenso. Descobri depois que cheguei no hotel que era por conta de um tiroteio na linha amarela. Veja, não é um cartão de visitas agradável. No ultimo dia tínhamos algumas horas até o embarque. Foi nesse momento, passeando pela orla Leblon-Leme e visitando o Cristo numa sexta ensolarada que a sementinha do "preciso voltar" foi plantada. Finalmente a vontade de conhecer mais a cidade venceu o medo de toda aquela violência que a TV nos mostra (e que de fato existe). 

Rio de Janeiro ficou no meu radar desde então. Só agora em dezembro de 2016 que eu tive oportunidade de voltar. Resolvi colocar todas as informações que achei relevante. Muita gente acha que viajar para o Rio custa uma fortuna, mas não ser bem assim! Hoje vou falar do básico aéreo-hotel e sobre o AquaRio. Nos próximos posts teremos Corcovado-Cristo, Pão de Açúcar e Praia. Simbóra!!!

Data da viagem: 24 a 26/12/2016. Sim, abrimos mão das gordices do Natal para viajar!

Aéreo: Fiz a compra em 30/11, não é a antecedência que eu indico... Não escolhi o voo mais barato também. Escolhi o que cabia no bolso e era direto. O ponto negativo é que o Santos Dumont é BEM mais perto das praias que o Galeão. Acho que numa próxima oportunidade cogitaria um voo com escala para gastar menos com taxi/uber. Uma diferença de R$~30 por trecho de corrida.  

O horário do vôo ajudou bastante, já que tínhamos apenas 3 dias para aproveitar a cidade.
Custo, com taxas: R$ 371,50 por pessoa.

Hotel: Banquei a viajante inexperiente, tive pouco tempo para pesquisar e acabei escolhendo um hotel em Copacabana. Copacabana não é a melhor praia, na minha opinião. A vantagem da localização é o custo do deslocamento até o Corcovado e o Pão de Açúcar. Em compensação existem hotéis e apartamentos em Ipanema, por exemplo, que custam menos que os de Copacabana. Vale avaliar caso a caso.
Escolhi o Best Western Plus Copacabana Design Hotel. De novo, com pouco tempo para fazer pesquisas confiei nesta rede que pra mim tem um ótimo custo benefício. Todos os hotéis da rede Best Western que fiquei até hoje foram excepcionais. Este não foi diferente. O hotel só não foi perfeito porque não tinha piscina e vista para o mar. =D

O que levei em conta quando escolhi: Rede que conheço, preço cabia no bolso, localização (próximo à praia e ao metro).
O ultimo item, como já falei, eu errei na avaliação. No domingo e na segunda feira a gente sempre sabia quando o metrô passava: quilos de gente desciam nessa estação. Pessoal mal educado e mal encarado. Daqueles que fazem questão de falar merda a respeito de turista, em voz alta, para você escutar. Não sofri nenhum tipo de violência direta, mas era uma situação desconfortável. Ainda mais que estando com a minha mãe, não era agradável pensar "e se algo acontece?". Não dá pra sair correndo como nas imagens que as vezes a gente vê. 

Voltando ao hotel, algumas fotos:
Frente do hotel e entrada do Metro na praça que fica do outro lado da rua.
Kit de amenidades, maravilhoso <3
No teto do quarto...
Café da manhã completíssimo!

Café da manhã excelente, boa cama, muita cordialidade de todos os funcionários. Se a localização te atende, super recomendo o hotel.
Valor: duas diárias por R$ 596,19 com pagamento antecipado para duas pessoas. Inclui taxas, café da manhã e tudo o que tinha no frigobar quando chegamos. Água (4 garrafas) e duas caixinhas de suco de limão Obrigado.

Roteiro:

Chegamos no Hotel às 9 am. Não tinha quarto disponível para antecipar o check-in. Trocamos a calça jeans por bermudas, pedimos para guardar as malas e fomos bater perna. A moça da recepção (uma Carol por sinal <3), nos deu um mapa e explicou como chegávamos à região do Porto, onde fica o AquaRio e o Museu do Amanhã (além de outros diversos pontos turísticos).
Tomamos um café da manhã na padaria próxima ao hotel. Durante o café eu fui tentar comprar o ingresso do Museu do Amanhã pela internet e descobri que estava fechado. Fechado dia 24 e 25/12, e segunda feira não abre =/.

Não íamos conhecê-lo desta vez. Compramos então o ingresso do AquaRio.

AquaRio:
Custou R$80 para mim e R$40 para mamãe que já tem 62 anos. O ingresso tem hora marcada para entrar e o local tem lotação máxima. O nosso estava marcado para as 11h. Pegamos o metrô e seguimos conforme nos indicaram. O metrô não pára tão perto do AquaRio quanto do museu do Amanhã. Achei que era muita caminhada para mamãe. Fomos a pé da estação Uruguaiana até a Candelária para fotografar e ali pegamos um Uber.
Igreja de Nossa Senhora da Candelária: Linda e imponente!

O cara do Uber errou o caminho. Foi a primeira vez que eu tive uma experiencia ruim com o serviço. O mapa só mostra uma volta das duas que demos porque ele teve o bom senso de terminar a corrida antes. O ponto em verde foi onde embarcamos, o círculo em azul é onde fica o Museu do Amanhã e o círculo vermelho é o AquaRio. Se eu tivesse pesquisado um pouco mais poderia ter pego um VLT...



Depois que conseguimos chegar, nos encaminhamos diretamente para o local de entrada com os códigos em mãos. Entramos antes mesmo das 11h. O passeio levou aproximadamente 1h. Acho imperdível caso tenham crianças no grupo ou o grupo ainda não tenha visitado nenhum outro aquário de grande porte. Diferente disso a visita seria dispensável, principalmente devido ao ingresso meio salgado.
Polvo mimetizado na paisagem. Uma pena que ele não apresentou seu nado exuberante.

Ao fim do passeio caminhamos pela Orla Conde em direção a praça Mauá, passando pela entrada do porto de passageiros de Cruzeiros. Aqui é onde ficava a perimetral que foi implodida uns anos atrás, me lembro de alguma repercussão nos noticiários. Devido a ser véspera de Natal, haviam 6 navios atracados. Muitos roteiros nacionais incluem a véspera de Natal e de Ano Novo atracados no Rio de Janeiro. O lado bom disso é que a região estava frequentada! Fiquei imaginando ali em outro feriado qualquer sem o público dos navios. Talvez pareça meio fantasma. 

Ali há o mural Etnias do grafiteiro Eduardo Kobra.
Cada rosto representa um dos 5 continentes.

2600m² de pintura de um mesmo artista, o Kobra. Entrou para o Guiness Book. 

O calor tava assim!
Paramos em um dos 4 food trucks presentes ali e almoçamos. Não estávamos com fome, mas o calor era tanto que foi uma ótima desculpa para aproveitar uma sombra. Um sanduíche saiu por R$25, a água sem gás por R$5 e uma Budweiser long neck a R$8. Descobrimos ali o que nos esperava nessa cidade tão inflacionada pelo turismo. Pelo menos o sanduíche estava delicioso.

Terminado o almoço, seguimos a Praça mauá, onde fica o Museu do Amanhã. Tivemos que nos contentar com a àrea externa dele apenas. Realmente a arquitetura impressiona, e teremos que voltar em outra oportunidade para conhecer o seu interior.
Museu do Amanhã: Lindo!

Resquícios das Olimpíadas.
Aqui a estação de metrô já estava próxima, voltamos ao hotel para fazer Check-in e tomar um banho. 

Semana que vem tem mais!!!

Não quer perder novas postagens? Segue a gente no Instagram e dê o seu like na nossa página no Facebook.

=*

Um comentário:

  1. Minha cidade maravilhosa! É muito quente mas seu charme não tem igual! :)

    ResponderExcluir